latentes viagens

Este espaço é um experimento aberto, amplo, intuitivo e original. Liberto das amarras acadêmicas, sistêmicas e conceituais, sua atmosfera é rarefeita de ideias e ideais. Sua matéria prima é a vida, com seus problemas, desafios e dilemas. Toda angústia relacionada ao existir encontra aqui seu eco e referencial. BOA VIAGEM!


eu gosto é das madrugadas
das noites frias
em que a cachaça nos esquenta

embriago com o amor
o licor que nos sustenta

em uma roda de samba
eu esqueço dos problemas
só bamba

desce uma
estupidamente
gelada

eis o nosso esquema

um maço de cigarro fechado
quer um trago?
eu lhe ofereço um cigarro

sou fraco
mas o vício
é meu artíficio
necessário

tabaco, cachaça, limão, feijoada
a poesia é uma luxúria refinada

peço a humildade,
para nós brasileiros

fomos nascidos e criados
em solo hospitaleiro

quem são nossos heróis?

o malandro da macumba,

o camisa dez do time adversário

o ídolo musical pré fabricado


eu sou brasileiro,
explorado nato

sou um capataz
em forma de gente
disfarçado

um anjo alado
com asas decaídas

sem moral
para reinvidicar
a minha saída

Dona Maria,
a senhora
é o cara

eu sou
latino
americano

passam-se os anos
mas meu aniversário
continua sendo
no mesmo mês

sou brasileiro
no meu verso
trabalho a dor

vem aqui,
vem ver
a realidade

são malabaristas,
diaristas,
santos operários
em suas fábricas

somos decentes
sem educação,
se por isso
sub entende-se
erudição

não estamos matriculados
em nenhuma universidade

mas o açúcar e feijão do vizinho
nos ensinaram a humildade
sobretudo o valor invisível
e metafísico da amizade

mais vale um samba
uma roda de bamba

a nossa efêmera
e fútil alegria

o resto é fantasia
elite suicida

seu veneno
não é eficaz
contra o tempo

por isso temo
e blasfemo
o seu momento...

Tudo não passa de um drama imaginário,
nascemos ricos e nos tornamos mercenários...
Viver dá trabalho, provoca cansaço
e quando se é escravo,
como no meu caso,
seja por mérito, opção,
vontade ou fracasso
todo mal se torna
realmente necessário.

Ninguém
irá pagar minhas contas
e dificilmente um et
irá se materializar e depositar
um volumoso dinheiro em minha conta.

Trabalho por dinheiro?
Por prazer?
Por necessidade?

Nem uma coisa
nem outra,

me divirto e finjo
contribuir

"para este belo quadro social".

Na verdade sou um vírus
implantado no seio
desta sociedade dita moderna
que se equipara
as bestas feras
de outras eras.

Pensar é proibido,
se não quiser ser
rotulado de louco,
diferente ou desmiolado...

Todos querem,
basta querer,
e eu me pergunto,
querer o quê?

O conhecimento é um meio,
tudo já está destinado para um fim...

que fim?
Existe fim?

Seria realmente
a vida uma roda?

Uma hora em cima,
outra hora em baixo,
no círculo existe
um centro extático,
independente
do diâmetro dos raios.


Mas no espaço
não consigo imaginar,
nem por cima,
nem por baixo,
nem mesmo
este movimento extático.

Ad infinitum
meu nobre e dileto
amigo Aristóteles?

Penso por mim e por outros,
será que realmente
alguém pode ensinar algo a alguém?

Goethe diria que não...
Quem foi Goethe?

Um místico,
um poeta,
um filósofo,
um teórico,
um bruxo maléfico
e pitagórico?

Cores,
gostava de cores
este tal de Goethe,
e isto é tudo que posso dizer...

se quiser algo mais,
procure por si próprio
pois já estou saturado,
enjoado desta idéia
de ter que apontar caminhos...

Tudo bem
você não concorda
com Rosseau,
mas nem por isso
pode deixar de ler o filósofo...
ou concordar com algo que ele diz...

Quer saber?

Estudar filosofia
é estudar os filósofos.

(Comentadores são legais, são bons, são eruditos, mas não nos servem como norteadores de uma existência, sua influência deveras ser pequena caso sejam honestos consigo mesmos...)

Leia,
revista em quadrinhos,
ou até mesmo material pornográfico,
mas antes de tudo, leia!!!

Ler é uma exigência da alma!!! MENTIRA!!!

Ler é uma necessidade da minha alma...


A vida é uma caixinha de surpresas
cheia de alegrias, repleta de tristezas
traumas que nascem através da perda

imensa vontade de chorar
de uma lágrima derramar
mas de minha alma ela não brota
a vida aos poucos se esgota

como num conta gotas eterno
a única certeza que temos
é que um dia todos pereceremos
e talvez renasceremos:

num belo sonho ideal
ou num pesadelo infernal

afinal,
qual o sentido
desta existência
corporal?

quando perdemos nossos amores
quando amigos parecem atores
no jardim da vida nos resta as flores
e os espinhos que facultam dores

destarte sobrevivo solitário
em meu pequeno mundo imaginário

e isto é tudo o que me resta
esperar sentado o fim da festa

até que a verdade nos separe!!!

falsidade:

falsa idade

vaidade

vai idade

idade vã

id ao divã!!!

lá se vai a tarde
perdeu sua viagem
dinheiro da passagem
tudo é bom

sozinho canta o louco
só peço um pouco
do que é bom

me lembro daquele tempo
bermuda, ócio e chinelo
onde estão?

acendo um cigarro
de leve dou um trago
como é bom

a noite no cinema
de quebra um fonema
locução

loucos não são poucos
o que é para os outros
nunca são

Total de visualizações de página

GINO RIBAS MENEGHITTI

Escritor, Filósofo, Poeta, Ensaísta, Político, Rapper, Dependente Químico, Militante Ativo do PC do B, Técnico Administrativo do CEFET, Membro de Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos e Grupo Levanta de Novo. Ministra Palestras Gratuitas sobre Dependência Química e assuntos relacionados a Política, Educação e Cultura em Geral. Áreas de Interesse: Filosofia, Literatura, Psicologia, Psicanálise, Sociologia, Cinema, Música, Biografias, Dependência Química, Estudo das Artes e Religiões.

Blog Archive

Posts mais Lidos e Visualizados

Frases de Albert Einstein

A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.

O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário.

A imaginação é mais importante que o conhecimento.

Se A é o sucesso, então A é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada.

Follow by Email

Translate

Google+ Followers