latentes viagens

Este espaço é um experimento aberto, amplo, intuitivo e original. Liberto das amarras acadêmicas, sistêmicas e conceituais, sua atmosfera é rarefeita de ideias e ideais. Sua matéria prima é a vida, com seus problemas, desafios e dilemas. Toda angústia relacionada ao existir encontra aqui seu eco e referencial. BOA VIAGEM!


Sobreviver em meio ao caos é uma atitude que exige garra, persistência e sobretudo criatividade, no entanto estes atributos indispensáveis para o sucesso de qualquer empreendimento tornam-se vazio de sentido quando os resultados alcançados não atendem as expectativas esperadas. As realizações que empreendemos ao longo de nossa existência nos facultam valiosas experiências, lapidando nosso discernimento e nos conferindo a maturidade na escolha de nossas ações. De qualquer forma, sempre que emitimos um juízo coletivo, ocultamos de forma tendeciosa nossas diferenças e singularidades. No plano social esta discrepância é notoriamente visível e palpável. Uma transformação radical na forma de pensar e agir deve ser operada dentro do sistema e o melhor recurso para que isso aconteça de forma livre e dinâmica é a educação. Esta mesma educação que é tratada com descaso em com desdém, hoje, satisfaz os interesses do Estado, em especial o brasileiro, vejamos por quê. Se fizermos uma análise da história política do país iremos constatar que o poder sempre esteve na mão das mesmas facções, digo famílias, sendo que o fim último de suas ações sempre foi o mesmo, utilizar-se da máquina pública para enriquecimento pessoal. Um dos principais artíficios utilizados por todos os ditadores e por todos aqueles que visem a sua perpetuação no poder é o sutil, mas perceptível, velamento de seus verdadeiros interesses e intenções. A confecção desta capa ideológica é feita mediante o sucateamento das instituições de ensino, escassez de investimentos na área educacional e salários irrisórios para o corpo docente público. O efeito destas medidas produz drásticas consequências no universo psíquico de cada indivíduo que além de ser obrigado a pagar os impostos estatais e privados (energia, água, comunicação, transportes, etc.) se vê privado da possibilidade de reinvindicar seus direitos visto a porta da justiça se encontrar distante da sua realidade. . Como se não bastasse a fúria do sistema, os grandes telejornais ainda propagam o medo de forma generalizada. Neste ambiente insosso, em que todo e qualquer tipo de pensamento contrário é conceituado como radical, trafegam multidões de seres destinados tão somente a pocriar, trabalhar, e viver uma vida medíocre, sem perspectivas reais de crescimento interno ou de uma suposta prosperidade externa. Tudo se justifica pelo atual estado de coisas, e uma crise mundial já se transforma em justificativa para o aumento descabido de preços e tarifas. Podemos constatar que a miséria espiritual, além de provocar o embrutecimento do espírito, distorce os valores éticos e morais em função de um comportamento estereotipado e neurótico que vive em função do relógio e da produtividade: o tempo, que deveria ser utilizado a favor do homem, torna-se seu principal inimigo. É extremamente infímo o número de seres humanos que possuem a liberdade de estarem mais com suas famílias do que em seu trabalho. No mercado reina a soberana competitividade que transfere a responsabilidade do malogro pessoal ao indivíduo, independente das condições que o mesmo tenha de se aperfeiçoar e de conhecer de fato as regras deste jogo sórdido e mesquinho. A libertação das consciências representa, de fato, um perigo para a elite brasileira que se apropria de forma covarde e desumana da força de trabalho alheia. Pode soar como mais um discurso marxista, mas quando os trabalhadores brasileiros tiverem a real dimensão de seu poder e da sua importância a elite brasileira será obrigada a se ver como realmente é: hipócrita, egoísta, fútil e individualista. A inversão de valores é tão forte que os seres mais egóistas já possuem revistas próprias, em que são exaltados os valores superficiais da matéria, e toda sua vaidade exarcebada é estampada vulgarmente nas fotos tiradas em lugares exóticos e paradisíacos que lhe proporcionem a mais podre futilidade humana, a de querer ser reconhecido pelos seus bens materias e não pelas suas qualidades espirituais, ou pelos seus supostos talentos inatos. E vamos que vamos!!!!

Total de visualizações de página

GINO RIBAS MENEGHITTI

Escritor, Filósofo, Poeta, Ensaísta, Político, Rapper, Dependente Químico, Militante Ativo do PC do B, Técnico Administrativo do CEFET, Membro de Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos e Grupo Levanta de Novo. Ministra Palestras Gratuitas sobre Dependência Química e assuntos relacionados a Política, Educação e Cultura em Geral. Áreas de Interesse: Filosofia, Literatura, Psicologia, Psicanálise, Sociologia, Cinema, Música, Biografias, Dependência Química, Estudo das Artes e Religiões.

Posts mais Lidos e Visualizados

Frases de Albert Einstein

A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.

O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário.

A imaginação é mais importante que o conhecimento.

Se A é o sucesso, então A é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada.

Follow by Email

Translate

Google+ Followers