Latentes Viagens

Este espaço é um experimento aberto, amplo, intuitivo e original. Liberto das amarras acadêmicas, sistêmicas e conceituais, sua atmosfera é rarefeita de ideias e ideais. Sua matéria prima é a vida, com seus problemas, desafios e dilemas. Toda angústia relacionada ao existir encontra aqui seu eco e referencial. BOA VIAGEM!



Porque nos acostumamos a acreditar nos muros que nos cercam? Qual a origem da propriedade privada? Sendo Deus o criador de todas as coisas porque conferiu grande soma de vantagens, privilégios e regalias a certas criaturas? Estas perguntas deveriam ser respondidas pelas pessoas que se dizem religiosas e creem em algo superior.

Nascemos em um mundo que nos oferece perfeitas condições de existência e digna sobrevivência, porém, num belo dia, um homem resolveu cercar e delimitar certo espaço, dizendo ser seu por direito. Para convencer a grande maioria, teve que utilizar o nome de Deus e a força dos exércitos.

Como este homem conseguiu persuadir a grande maioria de que todos deveriam se curvar e servi-lo sem hesitar? Será somente sob o risco de serem lançados e queimados nas profundezas do inferno? Apenas com o apelo da razão? Durante muitos séculos, poucos homens têm se beneficiado do sacrifício de muitos. Em nome da Religião, do Estado e do Direito centenas de seres privam milhares do acesso à terra.

Não existe, como nunca existiu, nenhum testamento deixado por Deus ou por Adão conferindo legitimidade divina à propriedade privada. Habituamo-nos a acreditar que o mundo, desde que é mundo, é assim e sempre será. Os senhores da terra vociferam ao menor argumento a favor de todos e clamam, em nome de Deus, do Estado e da justiça o direito inquestionável de possuir algo que nunca foi, e nunca será genuinamente seu.

Severas contas deveriam ser prestadas por estes homens que se julgam donos da terra, que proíbem o indivíduo de atravessar o seu pasto e de ter acesso ao seu próprio terreno e local. Como podemos impedir o livre acesso de pessoas, com os mesmos direitos e deveres, aos recursos naturais? Como fomos capazes de institucionalizar, com ares de legalidade e de inquestionável autoridade, a divisão de terras e de recursos?

Uma das maiores tristezas que sinto ao subir o Morro do Cruzeiro é me deparar com uma vastidão de terra improdutiva e mal distribuída e, no fundo, pressentir e saber que muitos só terão acesso ao seu legado no fim, quando estiverem a sete palmos abaixo do solo. Sinto que fomos e estamos sendo constantemente iludidos e enganados em nome de uma suposta ordem e de um duvidoso progresso.

Somos levados a acreditar piamente na divisão dos homens entre senhores e escravos, como se fosse algo absolutamente normal, natural e necessário à manutenção do equilíbrio e arranjo social. Algumas doutrinas chegam a utilizar a religião e a ciência para defender a perpetuidade da divisão de classes. Como se não bastassem as pequenas tragédias e contrariedades do cotidiano, somos levados a crer que tudo opera em nome de nosso bem e da nossa evolução.

Mais triste ainda é perceber que todos os policiais federais, civis e militares, em sua grande maioria são recrutados na base para defender os interesses de quem é responsável por oprimir, iludir e roubar o povo.

Por que a maioria dos líderes religiosos e políticos que ousaram levantar a bandeira do humanismo, sob a rubrica do amor e da igualdade se viram de mãos dadas com a morte? Porque as pessoas que defendem a reforma agrária, principalmente no centro e norte do país são assassinadas? Porque todos os presidentes que caminham em direção ao povo são destituídos de seus cargos? Por que ainda imperam a vigência do coronelismo, do corporativismo e do fisiologismo estatal e político? São perguntas que não serão respondidas e que muitos gostariam de silenciar.

Por que certas pessoas temem as reivindicações sindicais se sabem, no seu íntimo, que nenhum direito neste país foi conquistado sem luta e esforço? Nunca na história deste país, quiçá do mundo, o povo conseguiu conquistar algum direito, sobretudo trabalhista, através do silêncio, da passividade e da omissão.

No imaginário de algumas pessoas ainda parece pairar a imagem da casa grande e dos negros docilmente recolhidos em suas senzalas. Quem acredita que todo tipo de manifestação, sindical ou não, representa um perigo e afronta aos alicerces forjados pela sociedade, deveria aprofundar um pouco mais seus conhecimentos históricos e (re) conhecer as causas e consequências de algumas revoluções.

A Revolução Inglesa, por exemplo, retirou o poder absoluto dos reis e fortaleceu o Parlamentarismo; a Revolução Francesa, com a queda da Bastilha, conseguir extinguir os privilégios do clero e da nobreza, abolindo a servidão e os direitos feudais, declarando para o mundo os universais princípios de Liberdade, Igualdade e Fraternidade.


Somente através de uma série de ações e manifestos, liderados pelo pacifista Martin Luther King, os negros americanos conquistaram certos direitos civis, entre eles o direito de votar; no Brasil, os caras-pintadas se tornaram os ícones na luta pelo direito de escolhermos diretamente o representante mor da nação: Diretas Já.

Como diria Rui Barbosa: “maior que a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado”.


Nestes novos tempos virtuais está sendo cada vez mais raro e difícil encontrarmos amigos e pessoas com quem possamos compartilhar com honestidade e segurança nossos pensamentos, sentimentos, crenças, devaneios e opiniões. Tudo está cada vez mais rápido, líquido e superficial. A ditadura da felicidade, das belas fotos e corpos, do sorriso abertamente forçado, dos lugares paradisíacos e fantásticos, tende a nos reduzir a meros fantoches, marionetes da seita do capital. Seus fiéis discípulos ( publicitários, empresários e marqueteiros) ainda vendem a velha e carcomida imagem de fama, sucesso e poder. O canto da sereia global é amplificado por um forte apelo de cunho estritamente pessoal e comercial.
     
Como diria Pessoa, "meus amigos são bons em tudo". Mas onde estão meus amigos, quem são, para onde foram? E não digo isso num tom pessimista, ressentido ou melancólico, ao contrário. Percebo que quase todos aqueles que conseguiram amadurecer caíram nas armadilhas da vida adulta: cartões de crédito, contas, trabalho, família e responsabilidades.  Uma amiga não cansava de dizer que, depois dos trinta é muito difícil conquistar novos amigos, e ela tinha razão. Entre tantas idas e vindas, perdi vários, uns pela distância e ausência de afinidade, outros para o casamento, a família e a sociedade. Nada mais justo, normal e saudável, pena ter percebido isto um pouco tarde. Por outro lado, frases, que jamais imaginei reproduzir ou sequer pronunciar, fluem naturalmente: "no meu tempo era melhor". Somos uma geração privilegiada que, entre cabos, fios e telas, carrega consigo, de forma nítida as mais belas lembranças e recordações da infância na “sombra dos velhos quintais”.
      
Onde iremos chegar? Será a nova era ou o fim dos tempos? Ou será que cada qual respira, vive e trafega pelas dimensões por si mesmo criadas? Onde estão sendo travadas as principais discussões científicas sobre a física quântica e a duração de vida do planeta Terra? Podemos pensar em controle de natalidade, redução de gases na atmosfera, divisão de bens, dinheiro e terra? Onde repousa a verdade, senão no coração de quem tem olhos e ouvidos para ver e ouvir os apelos de um planeta que a cada dia, sofre, adoece e morre.    

Os alimentos estão sendo plantados, colhidos e vendidos, sob o comportamento individualista e histérico de imediatistas latifundiários. No campo político, já nem sei enumerar as contradições jurídicas, econômicas e sociais. Na esfera do poder, propriamente dito, os interesses continuam sendo os mesmos, e suas firmas e cifras vão bem obrigado.

Os tentáculos do grande capital se agigantam e assumem vários nomes, rostos e identidades. As máfias estão bem distribuídas pelo globo e grande parte de seus lucrativos negócios já estão limpos e lavados.  A indústria bélica nunca lucrou tanto com estas pequenas guerras de grande duração. As mesmas nações, no mesmo ponto e espaço geográfico, sendo constantemente alvo de ataques yankee, mas tudo se resume numa teoria da conspiração infundada, cujo olho que tudo vê, nada mais é do que fruto de uma imaginação pueril e fantasiosa, que cria para si e para o outro, mundos místicos e sobrenaturais.
 
Cansado da polarização de discursos, ideias e opiniões, confesso que o discurso das minorias, a postura romântica e ingênua de jovens idealistas guiados e seduzidos pelo politicamente correto e o grito de legalização, do aborto às drogas, já não exercem o mesmo fascínio ou encanto. Ainda carrego o martelo e a foice, mesmo diante de tantos exemplos negativos, autoritários, totalitários e ditatoriais. O socialismo ainda é a mais bela bandeira, mesmo que por ora esteja timidamente hasteada nos corações e mentes de jovens rebeldes, utópicos e revolucionários. O discurso marxista está fora de moda, mas ceder aos apelos da direita, jamais. O Brasil foi vendido e entregue aos interesses multinacionais.

Me recuso a discutir política com quem não seja minimamente esclarecido, mas está sendo difícil acreditar, que pessoas que um dia comungaram da mesma ideia e ideal, abraçaram, abertamente, discursos fascistas e neoliberais, carregados de ódio e desprezo pelo sangue e suor alheio. Nada demais, na republiqueta das bananas e das grandes corporações midiáticas. Não por acaso, um dia, Roberto Marinho disse que o Globo (ele nunca dizia a Globo) era o que era muito mais por aquilo que não dizia, do que por aquilo que publicava.

Não me assusto com o nível de ignorância das massas, afinal, nunca ouvi de forma exaustiva, cansativa e maçante, música clássica nas rádios comerciais, nunca vi Faustão, Xuxa e Gugu declamarem por horas a fio, poemas de Cecília Meireles ou de Vinícius de Moraes. Nunca vi um jornal divulgar e reproduzir ipsis litteris as obras e clássicos dos grandes gênios e mestres da humanidade. Vou ficar por aqui e sorrir, por ter alguém com quem ainda conversar. Existem pessoas neste mundo que conseguem retirar de nós o melhor, e você é uma delas, caro leitor. Boas reflexões!

não escrevo para doutor
com título debaixo do braço
escrevo para gente simples
do andar de baixo

sim eu sou escravo
minha moral é decadente
fruto do ressentimento
do orgulho da minha gente 

por aqui quem mente 
ocupa os melhores lugares
assumindo vários cargos
posição de destaque 

o justo tem piripaque
diante do jogo político
encenação de atos 
de discursos vazios  

dinheiro corre como rio 
o capitalismo é selvagem
vejo políticos chafurdando
como porcos na lavagem

qual o preço da viagem
quando nada lhe interessa
mergulhado em ilusão
pouco prazer que lhe resta

espero o fim da sua festa
com o olhar estatelado
do outro lado da rua 
com um demônio sentado

não escrevi nenhuma tese
nenhum artigo literário
mas conheço a ciência
praticada pelo sábio 

sou apenas mais um louco
buscando sua vontade
pela voz da consciência
vivendo pela verdade

Total de visualizações de página

GINO RIBAS MENEGHITTI

Admiro todas as pessoas que ousam pensar por si mesmas.

Blog Archive

Posts mais Lidos e Visualizados

Frases de Albert Einstein

A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.

O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário.

A imaginação é mais importante que o conhecimento.

Se A é o sucesso, então A é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada.

Follow by Email

Translate