latentes viagens

Este espaço é um experimento aberto, amplo, intuitivo e original. Liberto das amarras acadêmicas, sistêmicas e conceituais, sua atmosfera é rarefeita de ideias e ideais. Sua matéria prima é a vida, com seus problemas, desafios e dilemas. Toda angústia relacionada ao existir encontra aqui seu eco e referencial. BOA VIAGEM!



torrentes de luz exploram
células de meu corpo acordam
sinto-me por um minuto elevado
ao contexto do universo integrado
como se houvesse razão em existir
não denegrir a imagem do porvir
esperar amanhacer acordado
mesmo estando bebado, embriagado
da terra sorver o último fluido
na obscura incerteza do futuro
na tentativa de ser outro, mudo
me perco em devaneios surdos
cantarolando um canção antiga
lembrando de alguma poesia
sorrateiro exploro a mente
brinco com as palavras
invejo a fé dos crentes
não tenho motivo para finjir
nem sei se realmente estou aqui
a fazer planos, arquitetando sonhos
tudo conspira para o fim!!!



O Brasil é um país contraditório e não precisamos de muitos argumentos para provar isso. As vezes chego a duvidar do nível de mediocridade das pessoas que assistem assiduamente os programas de televisão. A força de seu discurso baseia-se somente nos fatos narrados pelos jornais e seu comportamento se resume nos modelos criados pelas novelas. Num país em que a grande maioria das pessoas não tem acesso à cultura, e mesmo que tivessem, não teriam interesse em agregá-la como um valor inerente a própria existência, fica muito fácil a manipulação de conceitos e a criação de mitos que visem a perpetuação dos interesses das grandes multinacionais. Quando assisto à um dvd e vejo logo na abertura o paralelo que as grandes empresas criam entre a pirataria e o narcotráfico, o crime organizado, etc, sinto uma irônica, mas verdadeira, vontade de rir...depois choro por pensar que alguém possa acreditar num absurdo desses. O compartilhamento de idéias e informações deveria ser prioritário numa sociedade que defende com ares de verdade a democracia. Contudo esta palavra, que aparece estampada vulgarmente na boca de parlamentares hipócritas e fanfarrões, raramente é exercida na prática. As multinacinais podem ser caracterizadas pela forma ditatorial com que monopolizam o mercado.



Além de elevarem o custo do cd e do dvd, impedindo que a maioria dos brasileiros tenham acesso aos seus produtos, querem impossibilitar a todo custo o compartilhamento de idéias e informações. A pirataria atende ao verdadeiro fim de toda e qualquer produção artística revolucionária: disseminação indiscriminada a baixo custo. A elite sempre se arvora em juiz, impedindo o povo de pensar por si mesmo. Se por um lado a palavra democracia me causa enjôo, por outro, a aristocracia me causa repugnância. Dizer que a arte não é para todos é uma tolice. A arte deve ser vulgarizada, no sentido de ser acessível a um número maior de pessoas. A indústria fonográfica monopolizada é a garantia que os detentores do capital tem de perpetuarem suas regalias e privilégios. Ninguém quer dividir a parte que nos cabe deste latifúndio. Os verdadeiros interesses sempre permanecem velados. Os produtos de baixa qualidade deveriam ter o direito de circularem livremente sem nenhuma repressão ao seu consumo, principalmente numa sociedade como a nossa visivelmente marcada pela desigualdade social. Não se trata de um discurso politicamente correto mas é inadmissível privar o trabalhador comum (leia-se: a esmagadora maioria de brasileiros que ganham um salário mínimo) de ter acesso a cultura. O empresariado brasileiro, ao contrário dos empresários do restante do mundo, não se preocupam em aumentar o poder de compra do trabalhador. Isto traria resultados benéficos para o consumidor e também para as grandes empresas que passariam a renovar seus estoques com mais frequência, gerando renda e emprego. O que falta é iniciativa e coragem de assumir riscos e de se abrir para o mundo de forma humana e solidária.

Diante de um público medíocre e enfadonho nada melhor do que nos darmos o direito de sermos idiotas, ingênuos, bobos mesmo...


Existem certas frases do senso comum que resumem todo um estilo de vida, mesmo que arraigadas a preconceitos e a precipitadas generalizações. Um exemplo é "mãe é tudo igual". Mas reparando o comportamento de determinadas mães, se por um lado não podemos utilizar "todas" por outra podemos perceber que a maioria das mães de hoje em dia adotam uma postura de super proteção exagerada, como que seus filhos fossem mais uma de suas jóias preferidas que devem permanecer sempre guardadas pois o medo de serem roubadas não permite que sejam usadas. Este tipo de comportamento exerce uma influência capital na formação da personalidade. O filho herda, mesmo que de forma inconsciente esta atmosfera de insegurança criada pela mãe. Devemos sempre estar atentos para a realidade de que vivemos em meio a ondas. O universo é um complexo sistema eletromagnético, cuja energia potencializa a vontade de todos os seres, redimensionando sua estrutura psíquica, mental, logo, espiritual. As ondas psíquicas emitidas por nós podem ser captadas e decifradas por uma mente mais sensível. É mais do que palpável a premissa de que as pessoas emanam energia. Considerando o Estado como uma entidade, podemos perceber que ele emana o medo e a insegurança, elementos estes indispensáveis na justificação de sua existência. Sem o medo não teríamos que nos preocupar em nos defender, em nos agregarmos de forma desesperada e sempre na dependência de outras pessoas. Quem teve a oportunidade de assistir ao filme V de Vingança, com certeza, não deixou de refletir sobre os meios de manipulação utilizados pela mídia. Pode parecer um exagero, mas o medo é uma criação humana. Pessoas que passaram por várias experiências dramáticas em sua vida, principalmente aquelas ligadas ao sentimento da perda, tiveram a possibilidade de se verem como realmente são. Quando não estabelecemos mais a relação entre aquilo que somos e aquilo que parecemos ser, rompemos o véu da hipocrisia e deixamos a máscara do orgulho e do preconceito de lado. Deixamos fluir nosso lado mais ingênuo e mais infantil. Esse deixar-se levar pelo momento, de forma descontraída e alegre é o que nos qualifica a emitirmos um juízo espontâneo e sincero. A questão da criatividade humana é amplamente estudada e podemos perceber que todos os seres, sem excessão, possui em si mesmo o maravilhoso dom de modificar o curso de suas vidas de acordo com sua vontade. A firme decisão de ir por um caminho e não por outro é que nos dá condições de poder pensar, nem que seja de forma relativa, o conceito de liberdade. No reino das palavras podemos tentar materializar emoções e sentimentos, mas é no contato com os outros seres que de fato, confrotamos com nosso lado mais obscuro. A inveja, a preguiça, a indolência, males que nos afetam de forma mais ou menos intensa, dependendo das circunstâncias não são identificadas pelo seu possuidor que transfere inconscientes suas sombras nos outros sem nenhum respeito pelo próximo e principalmente por si mesmo. A frieza e a riqueza de detalhes que utilizamos em narrar um mal ato praticado por alguém, reforça a necessidade que temos de nos sentirmos melhores do que os outros. Todos queremos ser de vanguarda, mesmo que isso represente o nada, o vazio, ou até pior, represente a insana satisfação de vermos saciados todos os nossos desejos materiais. A todo custo lutamos para não nos reconhecermos como animais. Nos enfeitamos, nos auto classificamos racionais e quando olhamos no espelho esquecemos de contemplar com profunda admiração o nosso canino. Ao invés de transarmos como os cães nas ruas, preferimos a estreiteza de quatro paredes, e isto chamamos evolução. Não andamos de quatro, não rastejamos em busca de alimento, mas isso não quer dizer que estamos muito distante do modo de viver dos cães, ao contrário, ouso dizer que muitos cães são mais dignos de respeito do que muitos homens. Homens quebebem, comem, trepam e dormem não fazem nada de diferente do que nossos irmãos de evolução. Quantas vezes não subjugamos nossa razão, abrindo mão dos nossos mais caros valores tão somente para agradar alguém. Vivendo na superficie, na incapacidade de enxergar de forma mais clara e dinâmica os convites da vida, permanecemos na infância espiritual, em que ainda nos pegamos discutindo na existência ou não de espíritos. A religião atravessou os séculos, e algumas ainda se auto proclamam as únicas possuidoras da verdade.

Total de visualizações de página

GINO RIBAS MENEGHITTI

Escritor, Filósofo, Poeta, Ensaísta, Político, Rapper, Dependente Químico, Militante Ativo do PC do B, Técnico Administrativo do CEFET, Membro de Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos e Grupo Levanta de Novo. Ministra Palestras Gratuitas sobre Dependência Química e assuntos relacionados a Política, Educação e Cultura em Geral. Áreas de Interesse: Filosofia, Literatura, Psicologia, Psicanálise, Sociologia, Cinema, Música, Biografias, Dependência Química, Estudo das Artes e Religiões.

Posts mais Lidos e Visualizados

Frases de Albert Einstein

A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.

O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário.

A imaginação é mais importante que o conhecimento.

Se A é o sucesso, então A é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada.

Follow by Email

Translate

Google+ Followers