latentes viagens

Este espaço é um experimento aberto, amplo, intuitivo e original. Liberto das amarras acadêmicas, sistêmicas e conceituais, sua atmosfera é rarefeita de ideias e ideais. Sua matéria prima é a vida, com seus problemas, desafios e dilemas. Toda angústia relacionada ao existir encontra aqui seu eco e referencial. BOA VIAGEM!


procuramos o alívio imediato
queremos um novo auto retrato
a imagem distorcida da aparência
oculta a invisibilidade da essência
neste louco mundo deslumbro
o aspecto deste tempo dúbio
em que o mal sugere atrativos
iludindo o povo ensandecido
difundido na tela por atores
com anúncio preenchido por cores
a consciência desperta suspeita
com sua sutil forma de destreza
somos artífices de nosso destino
estejemos acordados ou dormindo
quantos erros sombrios cometidos
em nome do vão prazer desmedido
nos assemelhamos aos lobos famintos
guiados exclusivamente pelos instintos
até que chegue a nova era
com sua nova e velha quimera

presto o tributo
necessário a sobrevivência
nas grades de carne
a higiene é decência
limpo minha mente
com o suor do gueto
periferia investe,
no humilde pobre preto
a poesia filosófica
liberta o pensamento
a reflexão sobrevoa
o presente momento
projeto no futuro
a minha sonora felicidade
contemplando os monumentos
históricos da cidade
quantas reformas necessárias
para preservar o passado
enquanto o meu presente
é sempre ignorado
louco fantasia a realidade
para não viver com medo
e ficar louco de verdade
a oração fortalece
o movimento
a irmandade presta
fiel juramento
no céu estrelas
enfeitam o firmamento
eu aqui rogando a deus
o fim do sofrimento



o aluguel consome o meu salário
o relógio consome o meu tempo
o calendário consome os meus dias
o trabalho consome minha energia
meu corpo consome minha alma
o mundo consome minha alegria
a poesia consome minha tristeza
o espelho consome minha vaidade
o ego consome minha vontade
o espírito consome a verdade
o dinheiro consome o consumo
o consumo consome a sociedade
a sociedade consome somente a imagem
tudo está sendo consumido,
neste presente minuto infindável
o mundo está sendo consumado



Na escuridão caminho
sob o impulso do desejo
descortino no horizonte
a vontade de um beijo
O louco desatino
de sempre sonhar acordado
amanheço no sofá
com o corpo desajeitado
água fria no rosto
somente para despertar
saber que foi um sonho,
e ela nunca vai voltar
um tira gosto solitário,
no bar uma cerveja
conto piadas,
passo o tempo,
espero a hora derradeira
a morte é uma certeza
temporário é o destino
ilusório é o canto
o intuito é o grito
liberdade para os fortes
paixão para os fracos
a corrente do desejo
tem o peso da vontade
os grilhões do receio
o medo da liberdade
sintonizo na frequencia
de sua carnal energia
menos um dia
me aproximo da alegria

Quando levo à boca um cigarro apertado

é para acender a distância que nos separa



Quero morar no interior de minas
para ser mais exato, quero morar no mato
com bois, vacas, galinhas, porcos e patos
quero dormir com os grilos e os sapos
acordar com os passarinhos e os galos
no fogão à lenha o cheiro forte de café
pão, leite, manteiga e incenso de guiné
pitar mansamente um cigarro de palha
limpar o curral e ordenhar as vacas
tomar banho de cachoeira e cachaça
sinto saudade deste tempo rural
em que o ritmo era outro
e a vida verdadeira, natural!


A vida nos une para depois nos separar e nos lança de forma abrupta e contundente no ardiloso mundo das formas e necessidades. Enquanto isso reflito sobre o arranjo químico dos atômos. Num formoso ritual magnético doam e recebem elétrons, dança eterna em torno do centro, a gravitacional harmonia dos elementos é um elo quântico, um cântico de louvor da matéria inerte, sutilmente sublimado por Deus. No silêncio de suas observações, alguns cientistas se despem humildemente de sua couraça experimental e surpresos diante de uma nova perspectiva vislumbram com ingênua alegria a certeza irrefutável da imortalidade da alma. Uma nova era se anuncia, irão se realizar as profecias, mas sem o alarido inútil dos grandes cataclismas. Almas serão deportadas por não terem aproveitado a oportunidade de agora e a Terra, renovada, não mais acolherá em seu meio sentimentos negativos que invalidam e descaracterizam a inata bondade e justiça de Deus. O tempo é o rei imponente que norteará o comportamento e o novo conceito espiritual dos povos. Contemplaremos na aurora do espírito o esquecimento deste tempo bárbaro e insano. Após estas ocorrências a humanidade finalmente reconhecerá a Ciência, Filosofia e Religião como irmãs que não podem viver sem o amparo imediato da Arte que lhes fornecerá o alimento estético imprescindível para que possam desenvolver suas potencialidades de forma criativa e verdadeiramente Bela.


Vasto potencial
de desmedida
embriaguez

No clandestino
comércio
com a vida

Valorizo sobretudo
a disciplina
da escassez

Respeito todos
aqueles que sabem
Dividir o bem
além das partes,

Admiro com certeza
a poética naturalidade
do Marquês de Sade

Inato absolutismo reina:

(Certeza da Vida
Morte passageira)

Ilustrissimo Senhor do Portal
Veste penumbra o ser imortal

Vivo o paradoxo
Reino metafísico
Mais um poeta
Em busca do ritmo


Inspirado no blogger: "O poeta aponta a lua, o imbecil olha o dedo" de meu amigo e poeta Rômulo Ferreira



Nossa loucura é um véu insuspeitável
que separa os verdadeiros loucos
dos vermes enclausurados
em seus redutos requintados,
com garfos de ouro
revestem seu tesouro
num hábito externo refinado.

Me sinto impelido,
deveras destinado, ,
a ser o precursor
deste tempo infindável,
em que a poesia
é uma cifra invisível,
incalculável.

Me presto a ser servo do sistema,
enquanto o lema do Planeta Terra
for a sobrevivência em condição extrema

e mesmo que eles implantem um chip
ou regressem ao tempo da barbárie,
nosso pensamento é o ingresso,
o preço da liberdade.

Total de visualizações de página

GINO RIBAS MENEGHITTI

Escritor, Filósofo, Poeta, Ensaísta, Político, Rapper, Dependente Químico, Militante Ativo do PC do B, Técnico Administrativo do CEFET, Membro de Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos e Grupo Levanta de Novo. Ministra Palestras Gratuitas sobre Dependência Química e assuntos relacionados a Política, Educação e Cultura em Geral. Áreas de Interesse: Filosofia, Literatura, Psicologia, Psicanálise, Sociologia, Cinema, Música, Biografias, Dependência Química, Estudo das Artes e Religiões.

Blog Archive

Posts mais Lidos e Visualizados

Frases de Albert Einstein

A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.

O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário.

A imaginação é mais importante que o conhecimento.

Se A é o sucesso, então A é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada.

Follow by Email

Translate

Google+ Followers