latentes viagens

Este espaço é um experimento aberto, amplo, intuitivo e original. Liberto das amarras acadêmicas, sistêmicas e conceituais, sua atmosfera é rarefeita de ideias e ideais. Sua matéria prima é a vida, com seus problemas, desafios e dilemas. Toda angústia relacionada ao existir encontra aqui seu eco e referencial. BOA VIAGEM!




Fósforos riscados, na geladeira o vazio, panelas sujas empilhadas, no chão restos de alguma coisa, somente cachaça e cigarro, suicídio tardio, lento e necessário para perpetuarmos o mal imanente a nossa espécie, tristeza e angústia seriam meras palavras para poder sintetizar e dizer aquilo que neste exato momento sinto, solidão e vazio são metáforas do espírito, mas tento me acostumar ao gelo das montanhas, mesmo morando num país considerado alegre e tropical. Nada de novo neste momento, apenas um autorretrato decadente do meu profundo abismo abissal... nado contra a maré e nunca consigo distinguir o certo do errado, o que devo ou não fazer. Meu dia é uma sentença, pois acordo com a certeza de que em qualquer momento meu estômago irá se queixar e terei que saciá lo mais uma vez, pobre órgão desfigurado, trabalho para ti, sou seu eterno servo e escravo, pelo menos enquanto caminhar e viver neste débil mundo. Me recuso a ver o noticiário e nem mesmo jornal tenho lido mais, tudo é uma eterna repetição melindrosa de fatos corriqueiros e trágicos, intercalado por anúncios bizarros de consumo, um convite ao mal humor e ao pessimismo, como se precisasse saber disto ou daquilo para poder sentir isto. Não busco novidades nem evolução, chega de sempre me ver e me projetar no futuro, não posso ser nada além daquilo que sou, um espírito encarnado na forma primária de um primata canibal. Possuímos dentes, caninos diga se de passagem é um instrumento que nos põe em prova e em cheque, bem que tento buscar outra jogada, mas sinto ossos e gosto de sangue de meus irmãos menos evoluídos, nem digo mais nosso, pois sei que cada um guarda para si mesmo sua concepção de mundo, mesmo que se expresse de forma diferente é inevitável pensarmos e agirmos a partir de nós mesmos, com nossos receios, medos e anseios, o mundo é para ser interpretado de várias formas e não posso permitir ao meu pequeno eu querer ser o único portador de todas esta verdade existente. A beleza existe na matéria, principalmente quando me divirto com ácidos e psicoativos, vejo super potencializados todos os sentidos e me descubro nesta contemplação totalmente desinteressada, superficial e fugaz, caso queira ficar preso ao critério do tempo, mas sua dissolução me remete ao espaço, e todo sentimento reprimido, assim como a chama viva do instinto vem a margem respirar, sei que devo tentar manter as aparências e todas as formalidades mas sempre caio na mesma pegadinha infame do destino pois ainda não ultrapassei as fronteiras macabras de nossa animalidade ancestral, macacos e vampiros se deliciam ao me ver apavorado e totalmente desprevenido, principalmente quando meus atos não fazem jus a uma divina assistência espiritual, desprotegido e aberto vejo de perto o quanto somos portadores da mais lastimável miséria e sarcasmo. Por outro lado não poderia deixar de relatar a espiritualidade latente que se manifesta de forma irrefreável, impossível não se render ajoelhado aos pés do pai da criação, nunca iremos conseguir através de um simples relato exprimir o inefável, somente um louco seria capaz de acreditar que nossa arte, por mais sublime que seja, irá conseguir um dia se aproximar deste êxtase místico, catártico e surreal. O mundo é um mistério e após desvelar alguns véus percebemos que somos assistidos por deuses alegres e divertidos, quiça infernais, dançam desenfreadamente e nos convidam a nos despirmos de nossas máscaras e rasgarmos com destemida coragem este refúgio da covardia e da ignorância. Mas desejamos carne e possuímos vontade de realizarmos nosso mais intimo desejo no aqui agora, a paciência realmente é uma virtude e as nossas escolhas nos servem como espelhos, até mesmo como modelos de tipos conhecidos e cruciais para nossa sobrevivência enquanto prisioneiros errantes deste universo astral. Nada que já não tenha sido dito, nem mesmo refletido e metodicamente analisado, apenas o retrato de um desconhecido basta para nos sentirmos um pouco mais humano e porque não, integrado e com algum sentido que faça realmente valer a pena esta pequena e transitória jornada terrena.


0 comentários:

Total de visualizações de página

GINO RIBAS MENEGHITTI

Escritor, Filósofo, Poeta, Ensaísta, Político, Rapper, Dependente Químico, Militante Ativo do PC do B, Técnico Administrativo do CEFET, Membro de Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos e Grupo Levanta de Novo. Ministra Palestras Gratuitas sobre Dependência Química e assuntos relacionados a Política, Educação e Cultura em Geral. Áreas de Interesse: Filosofia, Literatura, Psicologia, Psicanálise, Sociologia, Cinema, Música, Biografias, Dependência Química, Estudo das Artes e Religiões.

Posts mais Lidos e Visualizados

Frases de Albert Einstein

A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.

O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário.

A imaginação é mais importante que o conhecimento.

Se A é o sucesso, então A é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada.

Follow by Email

Translate

Google+ Followers